Numerosas empresas e políticos têm lutado durante décadas para desenvolver soluções para combater o congestionamento do tráfego, mas os tempos de deslocação continuam a aumentar na maioria dos centros das cidades dos Estados Unidos. A era da mobilidade inteligente é uma nova era robusta nos transportes, que está a ser introduzida por novos modelos de negócio inspirados em tecnologias disruptivas e na economia partilhada.

 

A ascensão da mobilidade inteligente

Desde coisas simples, como carros sem motorista entregando pizza, até pagar estacionamento com o telefone, a ascensão das cidades inteligentes está tornando a vida no centro da cidade novamente legal. O renascimento das cidades, que atraiu a geração millennial para a cena urbana, promoveu uma mudança de atitude em relação aos transportes e à necessidade de propriedade individual de automóveis.

Muitos modelos de diferentes municípios provaram que os moradores urbanos não precisam criar tráfego motorizado com veículos particulares para melhorar a acessibilidade. Por exemplo, o modelo Walkable City, Leap in San Francisco (um serviço de trânsito sob demanda habilitado para TIC), sistemas de compartilhamento de viagens como Uber e Lyft, e vários programas de compartilhamento de bicicletas, permitiram que inúmeras pessoas apreciassem a vida na cidade sem ter que um veículo particular.

 

Usos práticos da mobilidade inteligente

Empresas como a Ericsson desenvolveram aplicativos inteligentes para atender às necessidades de transporte nas grandes cidades. Por exemplo, a empresa produziu um aplicativo de planejamento de turismo para ajudar os turistas a se locomover pela cidade de Estocolmo, na Suécia. Depois, há o planejador de coleta, projetado para atender às necessidades de transporte de pessoas com mobilidade limitada. Há também o programador dinâmico de ônibus, que notifica os motoristas sobre obstruções à frente e sugere rotas alternativas que eles podem seguir.

Os gestores municipais podem aproveitar a Internet das Coisas. Eles podem usar vigilância por vídeo, monitores e etiquetas de identificação por radiofrequência, todos se comunicando entre si para detectar áreas essenciais onde os serviços municipais estão atrasados, monitorar o funcionamento de infraestruturas vitais e atualizar os tomadores de decisão sobre como tornar as áreas urbanas mais habitáveis. e gerenciar o crescimento da cidade.

Feiras de Eletrônicos de Consumo 2018

Veículo de entrega autônomo da Ford

Existe agora uma abordagem mais integrada e porta-a-porta à mobilidade, em oposição ao antigo paradigma do transporte privado como único meio de locomoção. Megatendências como a poluição, a urbanização, a conectividade, o congestionamento e a globalização estão a alimentar a mudança dos veículos privados para novos modelos de negócio, como a partilha de boleias, a partilha de viagens e a mobilidade integrada.

A mobilidade inteligente está disponível, embora de forma irregular, num mercado constituído maioritariamente por pequenos intervenientes privados. Apesar disso, os prestadores de serviços e os consumidores individuais já estão a tirar partido de serviços e tecnologias inteligentes em várias grandes cidades.

Feiras de Eletrônicos de Consumo 2018

Um carro Toyota autônomo do futuro

Os serviços de informação que acompanham a mobilidade inteligente têm o potencial de melhorar significativamente a experiência do viajante. Os viajantes podem fazer escolhas adaptativas para escapar de falhas do sistema e recuperar o controle sobre o seu próprio tempo de viagem. Eles podem selecionar preferências de viagem com base em preferências pessoais, como conveniência ou custo. A mobilidade inteligente melhora o conforto dos viajantes, ajudando-os a evitar congestionamentos. A natureza conectada da mobilidade inteligente permite que os viajantes façam uso construtivo do tempo de viagem, acessando serviços on-line enquanto viajam.

 

Importância dos Fatores Humanos e de Design

A transição para uma mobilidade inteligente viável desempenhará um papel fundamental na abordagem de desafios comuns como a pobreza, as alterações climáticas, a saúde pública e a desigualdade de género. Avanços como a condução autónoma, as plataformas de mobilidade partilhada e os veículos eléctricos tornaram o transporte mais ecológico, mais seguro, mais eficiente e inclusivo.

A mobilidade inteligente deverá servir não só como meio de melhorar a mobilidade, mas também como forma de ligar pessoas e bens, cidades e regiões, conhecimento e inovação. A mobilidade inteligente é necessária para desenvolver cidades eficientes e habitáveis que atraiam os melhores talentos e investimentos. É a chave para o desenvolvimento sustentável das cidades, tendo em conta o facto de que, até 2030, seis em cada dez pessoas no planeta viverão em áreas urbanas.

 

A mobilidade inteligente está apenas começando

A mobilidade inteligente está prestes a crescer como uma tendência. Os serviços de compartilhamento de carona, táxi sob demanda, etc. estão sendo aclamados como “Mobilidade 1.0”. Neste sentido, espera-se que a Mobilidade 2.0 se concentre na experiência do utilizador, com uma crescente aceitação da especialização. É provável que a Mobilidade 3.0 veja a aceitação geral de veículos sem condutor e modelos de propriedade parcial alimentados pela blockchain.